14.5.12

"A finança é a arte de passar dinheiro de mão em mão até desaparecer" - Robert W. Sarnoff


Numa pequena vila e estância na costa sul da França chove, e nada de especial acontece. A crise sente-se. Toda a gente deve a toda a gente, carregados de dívidas.

Subitamente, um rico turista russo, chega ao foyer do pequeno hotel local. Pede um quarto e coloca uma nota de 100 € sobre o balcão, pede uma chave de quarto e sobe ao 3º andar para inspecionar o quarto que lhe indicaram, na condição de desistir se lhe não agradar.

O dono do hotel pega na nota de 100 € e corre ao fornecedor de carne a quem deve 100 €, o talhante pega no dinheiro e corre ao fornecedor de leitões a pagar 100 € que devia há algum tempo, este por sua vez corre ao criador de gado que lhe vendera a carne e este por sua vez corre a entregar os 100 € a uma prostituta que lhe cedera serviços a crédito. Esta recebe os 100 € e corre até ao dono do hotel a quem devia 100 € pela utilização casual de quartos à hora para atender clientes.

Neste momento o russo rico desce à receção e informa o dono do hotel que o quarto proposto não lhe agrada, pretende desistir e pede a devolução dos 100 €. Recebe o dinheiro e sai.

Não houve neste movimento de dinheiro qualquer lucro ou valor acrescido.

Contudo, todos liquidaram as suas dívidas e os elementos da pequena vila costeira encaram agora o futuro com um renovado otimismo...

(autor por mim desconhecido)

30.4.12

As palavras

As palavras sabem-me a fel.
Estão amargas e refugiam-se em desculpas.
Ainda as consigo ouvir. Murmuram mas não agem,
Preferem esconjurar o papel.
No entanto, a folha em branco recusa-se a assumir tais culpas.

Subitamente, as palavras vestem-se de coragem.
Fervilham e desafiam o seu destino,
Procuram nova identidade e lutam por outro começo.
Então, convidam-me a combater...
Mas eu, afundado em pranto declino.


Onde estão as minhas palavras? Não me reconheço.

Faça amor, não faça Marketing

Texto retirado na integra do site mundo do marketing


Rasgue todas as suas cartilhas de marketing! Os 4 Ps - Produto, Preço, Praça e Promoção – estão desatualizados. Calma! Não siga ao pé da letra. Acalme-se, eles ainda são mais do que válidos. A proposta é ter uma visão diferente do que Jeromy McCartthy teve em 1960. O motivo é óbvio: a vida evolui. E o grande salto da humanidade não é só ter ideias novas e sim ver as antigas de formas diferentes.

Muito se fala de marketing e das estratégias de vender tudo a qualquer preço. Essemodelo caiu. O Rei está nu. A empresa que têm como missão conquistar apenas a mente e o coração do consumidor está equivocada. Temos que conquistar o espírito. É isso que prega o mago do marketing Philip Kotler em sua abordagem do marketing, na versão 3.0 e é isso que o mercado tem cobrado.

Quando estamos apaixonados, ficamos bobos, nos entregamos totalmente a algo, trabalhamos com amor, nos entregamos de corpo e alma, queremos o bem de nosso bem querer. E é isso que as empresas devem ter com seus consumidores, pois são eles que mantêm a empresa. Eles que deslumbram todos os benefícios de sua marca e seus produtos para os outros consumidores.

Lembre-se de seu 1º beijo. Lembre-se de sua infância, quando a vida lhe fazia mais sentido e o medo de perder, de arriscar, de errar era mera brincadeira. Assim como as crianças são moldadas, os consumidores também o são, e se essa criação não obtiver amor, segurança, afeto, compreensão, compartilhamento, provavelmente essa criança tornar-se-á um adulto frustrado. E um consumidor frustrado deveria ser como uma lágrima para as empresas. Ela está desviada de sua missão, visão e seus valores, sejam eles quais forem.

Sei que muitos empresários vão ler esse material, acredito que muitos vão se questionar: o que estamos fazendo? Qual a nossa obra? O que ficará após partirmos? A resposta é obvia – aliás, o óbvio não nos chama a atenção, pois é apenas óbvio – plante amor para receber afeto. Faça de seus consumidores além de fãs, que se tornem parceiros, colaboradores. Mexa com a vida das pessoas, traga boas lembranças. Exemplo, se você vende detergente para louças, não se foque apenas que sua marca faz mais espuma, é mais eficaz contra a sujeira. Compartilhe a lembrança de que lavar louça é igual a brincar com água quando éramos criança – e como adorávamos banhos de mangueira, mergulho em riachos... – pode ter certeza, você não está vendendo limpeza, você está vendendo nostalgia.

Outro exemplo claro é esse próprio texto publicado aqui, no portal do Mundo do Marketing. Nesse momento tenho a oportunidade de colaborar com o portal, de escrever junto com ele a história da vida das pessoas e da humanidade. Minha relação deixa de ser de consumidor de notícias para ser coautor. Sou paulista de nascimento e paranaense de coração. O Paraná me deu condições de concluir meus estudos, iniciar minha carreira profissional, me apaixonar por uma mulher maravilhosa, e ter uma linda família. E mesmo estando longe, não deixo de seguir, acompanhar, e contribuir com a empresa que deixou de ser empresa, para ser minha parceira. Sim, não se chama só Mundo do Marketing, chama-se Mundo do Marketing e Elizeu Alves. Estamos incorporados.

Assim, deve ser com os consumidores. Eles não querem ser só ficar assistindo, querem participar, co-criar, chamar de seu. Entregue o seu coração e o consumidor corresponderá e como dizia Steve Jobs, como todas as coisas do coração, só tendem a melhorar com o tempo.


Postado por Elizeu Alves - 12/04/2012

11.10.11

Marketing 3.0 – Olhar para o consumidor como ser humano

Maioria das empresas ainda não pratica o Marketing 3.0

Por Sylvia de Sá, do Mundo do Marketing | 28/09/2011


“Se daqui a cinco anos você estiver no mesmo ramo em que está hoje, seu negócio não existirá mais."

A frase destacada por Philip Kotler mostra a urgência por inovação dentro das empresas, além de uma muda

nça de foco. Mais do que olhar para os clientes, as marcas criativas precisam ver o consumidor como um ser humano. É isso o que propõe o Marketing 3.0, conceito nascido em 2005 na Ásia e explorado no livro Marketing 3.0, um dos mais vendidos em 2010 no Brasil, lançado pela editora Elsevier e escrito por Kotler, em parceria com Hermawan Kartajaya e Iwan Setiawan.

Para se destacar no contexto atual, as companhias precisariam sair do Marketing 1.0 – onde se encontra a maioria das empresas do planeta – para o Marketing 3.0. Apesar da ideia não ser novidade e vir sendo amplamente divulgada por Kotler em todo o mundo, o conceito está longe de sair do papel.

“A maioria das empresas é de Marketing 1.0. Entregam um bom benefício mentalmente”, disse Kotl

er durante o Seminário HSM, realizado na última segunda-feira, dia 26, em Porto Alegre, no Rio Gra

nde do Sul. O guru do Marketing lembrou ainda que poucas companhiam praticam até mesmo o Marketing 2.0, aquele capaz de transformar clientes em fãs, como fazem marcas como a Harley-Davidson.


Preocupação com o planeta

Juntando o benefício mental proposto pelo Marketing 1.0 e a felicidade gerada pelo Marketing 2.0, o Marketing 3.0 quer ir além: as empresas devem entregar amor, fazer as pessoas se sentirem bem emocionalmente e, mais do que isso, olhar para o planeta como um todo.

“É não atender apenas o lado emocional, mas mostrar aos clientes que a empresa se preocupa com o mundo. Isso é o Marketing 3.0”, explica Kotler. Ao praticar o Marketing Social, as marcas usam os princípios básicos da ferramenta para ajudar pessoas, com ações que colaboram para a melhoria da vida, como campanhas que incentivam a parar de fumar ou se alimentar melhor.


Olhando para trás
Na busca pela inovação e pelo bem social de forma sustentável para a empresa, vale reinventar o passado. Nem toda companhia poderá criar o novo iPad, então por que não olhar para antigos negócios e aproveitar o seu potencial?

Foi o que fez a Starbucks, por exemplo, quando transformou a experiência de tomar café e virou sinônimo da categoria. Ou a Zappos, que superou o principal obstáculo da venda de calçados pela internet e, diante da dúvida dos consumidores quanto ao tamanho do sapato, passou a enviar três números do mesmo modelo, arcando com a despesas de devolução.

A TOMS Shoes foi além e não só reinventou a venda de calçados, como também agregou o valor social ao negócio. Para cada par de sapatos vendido pela empresa, outro é doado a crianças carentes. Na hora de se destacar, a internet aparece como uma forte aliada, mas não a única. O investimento no digital deve ser cauteloso.

“Conheço uma empresa que redirecionou 50% do seu orçamento de Marketing para o digital e o resultado foi catastrófico. Repasse 10% para as mídias digitais e contrate alguém que entenda de internet. Se trouxer resultado, dê mais 10%”, aconselha Kolter.


Criação em parceria
Entre as vantagens da web está a possibilidade de cocriação, cada vez mais utilizada pelas empresas. A tendência, no entanto, também aparece no ambiente físico. A já citada Harley-Davidson é conhecida por levar os clientes para acompanharem os engenheiros da empresa. Já a dinamarquesa Lego convida crianças para oficinas onde geram ideias para novos brinquedos com os famosos blocos de montar.

Na Procter & Gamble, a estratégia de conexão e desenvolvimento substituiu a tradicional abordagem de pesquisa e desenvolvimento. O programa de inovação alavanca a rede de empreendedores e fornecedores globais da P&G para que ofereçam ideias de produtos.

Como resultado, a iniciativa passou a contribuir com cerca de 35% da receita da companhia e gerou itens conhecidos pelos consumidores de todo o mundo como o creme Olay Regenerist e as escovas a pilha Crest SpinBrush.


As mais amadas
Com a cocriação, vem também o conceito de comunidade, que se sobrepõe à segmentação tradicional. “A segmentação produz pessoas homogêneas, enquanto as comunidades têm diferentes pessoas. A Apple, por exemplo, construiu comunidades de indivíduos que amam a marca”, ressalta Kotler.

Com as comunidades, as companhias conseguem manter os clientes proprietários, aqueles que compram, ficam satisfeitos, falam para outras pessoas, convencem a experimentar e fazem críticas construtivas, como fãs. Mais do que isso, as empresas conquistam funcionários proprietários, que possuem um senso de propriedade, são leais, sugerem melhorias e servem os consumidores da melhor maneira possível.

Características como essas levam os norte-americanos a amarem empresas como Amazon, Best Buy, BMW, Container Store, eBay, Google, Harley-Davidson, Honda, IDEO, IKEA, Johnson & Johnson, Starbucks, Timberland, Toyota e Whole Foods, algumas das listadas no livro “Firms of Endearment – How World-Class Companies Profit from Passion and Purpose” (Os segredos das empresas mais queridas – Como empresas de classe mundial lucram com a paixão e os bons propósitos), de Raj Sisodia, Jag Sheth e David B. Wolfe.

Essas companhias, que não só contam com uma verdadeira legião de fãs, como também são altamente lucrativas, têm características em comum:


- Alinham os interesses de todos os grupos de stakeholders;

- Os salários de seus executivos são relativamente modestos;

- Adotam uma política de “portas abertas” de acesso à alta gerência;

- A remuneração e os benefícios de seus funcionários são elevados para a categoria, o treinamento de seus funcionários é mais longo e a rotatividade da mão de obra é menor;

- Contratam pessoas que têm entusiasmo pelos clientes;

- Consideram os fornecedores parceiros legítimos, que colaboram para melhorar a produtividade e a qualidade e para reduzir os custos;

- Acreditam que a cultura corporativa é seu maior ativo e sua principal fonte de vantagem competitiva;

- Seus custos de Marketing são muito menores do que os de outras empresas do seu setor e, ao mesmo tempo, a satisfação e a retenção de clientes são muito maiores.


Texto integral e imagem retirados daqui

13.10.10

"Fazer Marketing – O que é isso?"



(Texto integral e imagem retirados da página Marketing Portugal )


Muitas vezes, o Marketing fica reduzido à comunicação. É importante desmistificar e explicar, afinal de contas, o que é isto do “Marketing”?

Muito se especula sobre o que é mais importante, se o Marketing, a Comunicação, ou as Vendas. Na minha óptica, independentemente da importância, todos devem trabalhar de forma integrada em prol de objectivos comuns e com uma estratégia partilhada.

A comunicação (onde se inclui a força de vendas) obviamente que é, uma das variáveis importantes do Marketing, principalmente porque é a parte mais “visível” de toda a estratégia

Acho que é importante partilhar visões e reflexões sobre esta temática pelo grande desconhecimento que existe relativamente às potencialidades do Marketing.

O “nosso” Marketing só ganhará expressão e evoluirá quando as empresas (independentemente da sua dimensão) perceberam a importância do Marketing.

Considero que, cada vez mais, o Marketing assume um papel indispensável para qualquer empresa, mas, sem dúvida alguma, que nem toda a gente percebe as mais-valias da sua implementação.

É igualmente importante alertar que o Marketing tem sido bastante banalizado pelo excesso de cursos e pelo excesso de profissionais no mercado. Antes de integrar um departamento de Marketing na sua empresa/organização (mesmo que em regime outsourcing), procure referências e informações que possam sustentar a sua “aposta”.

Partilho uma pequena lista, que refere alguns pontos (não todos!) que podem caracterizar o Marketing.

Confesso que esta lista poderia ter o dobro dos tópicos que tem, mas, foi meu interesse sintetizar ao máximo esta informação.

“Marketing é tudo e tudo é Marketing”

1. Fazer Marketing é conhecer o mercado e identificar oportunidades e ameaças

2. Fazer Marketing é conhecer a nossa concorrência e estar atento às suas movimentações

3. Fazer Marketing é conhecer as nossas competências internas (pontos fortes e fracos)

4. Fazer Marketing é conhecer a envolvente macro-ambiental (factores Políticos, Legais, Económicos, Sociais, Culturais, Ecológicos, tecnológicos..)

5. Fazer Marketing é definir objectivos específicos, mensuráveis, atingíveis, realistas e ambiciosos.

6. Fazer Marketing é segmentar o mercado (dividir os clientes e potenciais clientes em grupos com características mais ou menos homogéneas)

7. Fazer Marketing é identificar o segmento de maior valor para uma empresa/produto/marca/serviço

8. Fazer Marketing é posicionarmo-nos no mercado, tendo em conta as exigências do cliente

9. Fazer Marketing é criar estratégias de identificação e diferenciação no mercado

10. Fazer Marketing é definir que acções implementar

11. Fazer Marketing é definir estratégias de preço, comunicação, produto, distribuição..(entre outras)

12. Fazer Marketing é saber em detalhe quais os melhores canais de comunicação

13. Fazer Marketing é focar as atenções nas pessoas e nos processos

14. Fazer Marketing é orçamentar e saber em detalhe o investimento necessário

15. Fazer Marketing é fazer previsões

16. Fazer Marketing é motivar, envolver, formar, informar, credibilizar

17. Fazer Marketing é planear e executar

18. Fazer Marketing é criar metodologias

19. Fazer Marketing é monitorizar, acompanhar, actualizar e controlar

20. Fazer Marketing é criar cenários diversos para tentar estar prevenido num mercado cada vez mais dinâmico

21. Fazer Marketing é promover a interacção

22. Fazer Marketing é direccionar a empresa para o cliente/potencial cliente

23. Fazer Marketing é tentar, constantemente, garantir o futuro

24. Fazer Marketing é seguir códigos deontológicos e ter ética profissional

25. Fazer Marketing é pesquisar..muito!


· Fazer Marketing é conjugar todos estes 25º tópicos, traduzindo-os em beneficio para uma empresa/organização, criando valor acrescentado para o cliente (interno e externo), seguindo todos os padrões éticos.

É importante partilhar e divulgar este tipo de conhecimento para que, de uma vez por todas, o Marketing seja conhecido e entendido por todos, por aquilo que ele é e representa no mundo empresarial. Só assim poderemos fazer Marketing!


O autor:

Paulo Morais

Docente na pós graduação de Marketing Digital – IPAM
Consultor de Marketing da
JRS Pharmarketing
Marketing & Partners Manager do
RCM Pharma
Project Manager
Marketing Portugal
Mestrando de Gestão de Marketing no IPAM
Pós Graduado em Direcção de Marketing e Vendas pelo ISCTE
Licenciado em Gestão de Marketing pelo IPAM – Matosinhos

17.5.10

Arranca hoje a Semana do Marketing

Começa hoje a 11ª edição da Semana Nacional do Marketing, uma iniciativa da Associação Portuguesa dos Profissionais do Marketing (APPM). O ponto alto está reservado para quinta-feira, dia do Congresso Internacional do Marketing, marcado para o ISCTE (Lisboa), que abordará o tema Inovação em Tempos de Mudança. Jeremy Gutsche, fundador do Trendhunter.com, será o keynote speaker. Gutsche é também autor do livro Exploiting Chaos, que mostra como as empresas conseguem prosperar em tempos de crise.

Ao longo da semana vão decorrer os Encontros do Marketing no IPAM de Aveiro, de Lisboa e do Porto, na Escola Superior de Tecnologia de Abrantes, no Instituto Superior de Comunicação Empresarial, no Escola Superior de Gestão, Hotelaria e Turismo da Universidade do Algarve e na Universidade Lusíada de Vila Nova de Famalicão. A fechar a semana, na sexta-feira, será a vez do Congresso de Estudantes de Marketing e Comunicação, marcado para o ISCTE.

(texto retirado daqui)

12.5.10

Eu trocava o que temos cá por este

PS - partido da sinceridade

video

5.5.10

Estarão os mistério do futuro escritos nos encantos do passado?


Existem Obras que, teimosamente, perduram ao longo dos anos sem perder a lucidez intemporal que carregam e o significado da mensagem que transmitem. Admiro essas peças de arte, particularmente as que chegam até mim na forma de Música, Publicidade, Representação e Literatura.
Um destes exemplos surgiu em 1871, quando Eça de Queirós e Ramalho Ortigão começaram a escrever "As Farpas".
"As Farpas" foram publicadas em fascículos entre Maio de 1871 e Novembro de 1872, momento em que Eça de Queirós abandonou a publicação, que continuou a ser escrito apenas por Ramalho Ortigão e que teve continuidade até 1882. (mais informação aqui)

Fica um pequeno trecho escrito em 1872 que ilustra a intemporalidade desta obra.

"...Nós estamos num estado comparável sómente à Grécia: mesma pobreza, mesma indignidade política, mesma trapalhada económica, mesmo abaixamento de caracteres, mesma decadência de espírito.
Nos livros estrangeiros, nas revistas quando se fala num país caótico e que pela sua decadência progressiva, poderá ...vir a ser riscado do mapa da Europa, citam-se a par, a Grécia e Portugal".

Pode fazer o download da obra no site da biblioteca nacional digital.

4.5.10

All days are Marketing days

Não importa o sector de mercado. Não é relevante a posição que a empresa ocupa. O apertado orçamento não é impeditivo.

Todos os dias são dias de entrar em contacto com o cliente.

TODOS OS DIAS.

Ligar na segunda-feira, visitar na terça. Envia um email na quarta-feira e convidar para um evento na quinta. Levar o cliente até ao site na sexta-feira e repensar tudo de novo no sábado.

Todos os dias são dias de Marketing.

27.4.10

Where did community go?

As contradições do nosso tempo:
A partilha do conhecimento é cada vez maior e a oferta do sentimento é menor.
Jogamos cada vez mais jogos e fazemos menos desporto.
Estamos por dentro dos acontecimentos e não saímos fora de casa.
As nossas músicas entram-nos por um ouvido e as conversas com os amigos saem pelo outro.
...
where did community go?

video

Este video foi realizado para a YMCA, uma associação de caridade em Vancouver, que promove o bem-estar físico e mental.

26.4.10

Prevenção Rodoviária

Muito bom este filme publicitário da responsabilidade do Governo de Inglaterra.
Os dois factores que um filme de sensibilização deve ter: Simplicidade e genialidade.
Mais informações sobre a campanha em http://www.sussexsaferroads.gov.uk/


video